terça-feira, setembro 15, 2009

Chelsea 1 x 0 FCPorto



A primeira leitura que se tira da exibição de hoje é que o FCPorto deixou no ar a ideia de que podia ter conseguido um melhor resultado. Embora fique a desilusão de mais uma derrota em terras da Old Albion, fica porém desta vez também a ideia de uma exibição sólida, personalizada e aguerrida de uma equipa que discutiu o jogo até ao fim e que mostrou ter jogadores para justificar voos mais altos.

A primeira parte foi muito mais tactica, com as equipas a espreitar o erro do adversário, embora o Chelsea mostrasse um natural maior pendor ofensivo, com a subida constante dos laterais. Jesualdo apostou surpreendentemente em Guarin e pode-se dizer que o colombiano esteve à altura dos acontecimentos, não se assustando com o ambiente e conseguindo ser um dos dínamos do FCPorto, isto apesar de pontuais passes errados. Se Guarín conseguir manter esta bitola em futuras oportunidades, o FCPorto ganha aqui um reforço que poderá ser importante e que justificará finalmente a sua contratação.

Quem não esteve tão bem foram Hulk e Mariano. O primeiro voltou a ser insipiente no ataque, em contraponto com o que havia feito no último jogo e embora tenha estado muito desacompanhado no ataque, lutando contra Terry e Carvalho, perdeu-se muitas vezes em individualismos desnecessários. Já Mariano esteve infeliz, talvez por fruto de uma má adaptação ao estado do relvado e pode-se dizer que a sua exibição se resumiu a pouco mais que nada.

O início da 2ª parte foi aziago para as cores portistas. Inexplicavelmente, pareceu que a equipa não esperava uma entrada mais forte do Chelsea, colocado em xeque perante o seu público e com a obrigação de ganhar o jogo. A concessão de espaços foi fatal e, depois de uma falha defensiva e apesar de uma primeira defesa de Helton (Que grande exibição! Limpou a imagem de jogos passados em Inglaterra) Anelka fez o 1º e único golo, com Pereira a deixar a ideia de que poderia ter feito mais no lance.

Jesualdo mostrou que tinha um plano B preparado e fez entrar de imediato Falcao para o lugar de Mariano, retirando um homem do meio campo e aí o jogo partiu. Se a ideia era que Rodriguez fosse o homem encarregue de fazer a ligação entre o meio campo e o ataque, cedo se viu que o uruguaio ainda não tinha "rotação" para tanto e foi com naturalidade que acabou substituído por Varela. Foi interessante verificar como o jogo mudou a partir daí. O FCPorto recuperou a capacidade de pressão e a verticalidade no seu jogo e, durante muito tempo, encostou o Chelsea atrás, com Pereira a dar uma preciosa ajuda nesse sentido. Ancelotti viu o perigo na ala direita e não hesitou em substituir Kalou por Beletti para tentar estancar aquele flanco.

Falcao foi bravo na forma como lutou e Varela mostrou não tremer na sua estreia na Liga dos Campeões dando a ideia que deveria ter começado a titular e quase marcando um grande golo num remate de primeira. Infelizmente o FCPorto não conseguiu chegar ao golo do empate que seria justificado, Petr Cech também garantiu isso com um par de grandes defesas. Até ao final, destaque só para a expulsão de Fernando por acumulação de amarelos por uma entrada impetuosa sobre Beletti na ânsia de recuperar a bola na área do Chelsea, facto que abre a dúvida sobre quem ocupará a posição 6 no jogo do Dragão contra o Atlético de Madrid.

Apesar do resultado, o FCPorto merece um aplauso e deixou bons augúrios para o futuro próximo. Não deixa de ser surpreendente que, nesta altura da época, a equipa conseguiu depois de golear o Leixões, ir a Londres bater o pé ao Chelsea chegando mesmo a calar as bancadas de Stamford Bridge.


Os outros

Entretanto, como já tinha previsto, o APOEL mostrou que não pode ser subestimado ao ir a Madrid empatar a zero, um resultado que serve amplamente os interesses do FCPorto. Numa altura em que os cipriotas não atravessam um bom momento, conseguiram ser agressivos no seu jogo, sustendo o maior pendor ofensivo dos Colchoneros. Fica a pergunta: será que vão fazer um brilharete contra o Chelsea no próximo jogo?

Estatísticas: UEFA

7 comentários:

dragao vila pouca disse...

Ser exigente é o meu lema, mas ser exigente com os pés no chão tendo a noção da realidade. O Chelsea é melhor que o F.C.Porto, tem melhor equipa, melhores jogadores, jogava em casa e tem um andamento, que a liguinha portuguesa não dá à nossa equipa. Mesmo com tudo isso fizemos um bom jogo, com a excepção daqueles 15 minutos iniciais da segunda-parte e podiamos ter empatado que ninguém diria que foi injusto. Guarín foi uma supresa, mas o que conta é que fez um grande jogo e deu razão ao treinador por o ter colocado a jogar. Se alguma critica deve ser feita ao Jesualdo, é não ter tirado Mariano, mesmo que as coisas em termos de resultado, não estivessem a correr mal. Foi na transição para o ataque que falhou e aí, muito por culpa do argentino, que trapalhão, nunca aproveitou as possibilidades que o meio-campo e os laterais ingleses deram. Falhou também Hulk, de quem se esperava muito mais.
Muito bem Helton e muito bem Guarín.
Gostei e fiquei com a certeza, que se o espírito for sempre aquele, vamos ter mais uma época de glória.

Um abraço

bLuE bOy disse...

Apetece-me apenas dizer que vergonha nestas horas, é coisa que não faz parte do meu vocábulo futebolístico… ontem, tacticamente, o FC Porto fez um jogo quase perfeito, faltando apenas marcar, ou ainda melhor, bastaria não ter sofrido.

O Chelsea jogou à Chelsea; o Porto jogou à Porto. Naquelas condições climatéricas, assistimos a um jogo muito interessante, de prender a atenção até ao último apito do árbitro, mas também de suspiros de alivio ou de ansiedade, dependendo da zona defensiva por onde a bola rolava.

Muito humildemente, quero dar os meus parabéns a toda a equipa pela demonstração de querer, raça e bravura que demonstraram ao longo dos 90 minutos de Stamford Bridge, mas particularmente, ao Prof. Jesualdo Ferreira, alguém a quem ainda não se tinha ouvido o apito inicial, já dizia «cobras e lagartos» das suas opções para o onze, mas afinal, demonstrou-me mais uma vez, se preciso fosse, que apesar de algumas desconfianças que por vezes me levam a apontar-lhe o dedo, demonstra a cada jogo que passa, ser um motivador táctico de excelência, deixando depois o «resto» nas mãos dos nossos fantásticos jogadores.

Se mais provas fossem necessárias, e ainda que o resultado não tenha sido desta vez o mais feliz, o FC Porto é a única equipa com classe, com pulmão e nome para estas andanças na Europa do futebol, onde depois de assistir a mais esta demonstração, tenho a crença absoluta que vamos conseguir alcançar os nossos objectivos mais imediatos nesta fase de grupos da Liga dos Campeões, mesmo sabendo que é difícil, mas difícil também sempre o foi, mesmo que numas vezes mais, noutras menos, mas este foi um daqueles momentos difíceis e a (minha) equipa correspondeu com o que dela esperava (e exigia!).

A liga milionária, como muitos lhe chamam, arrancou ontem, e o que vi, muito sinceramente, e se calhar até quando todos esperaríamos o contrário, foi ver um tal de clube milionário e, dizem este ano na liga inglesa, um SUPER Chelsea, em largos momentos do jogo encostado às cordas e a defender com tudo e todos, despachando bolas para onde estavam virados… não, este resultado, não me envergonha nem um pouco!

Perdemos o jogo… mas ganhamos uma equipa!

Caetano disse...

Acho que todos alinhamos pelo mesmo. Foi sem dúvida uma grande exibição do FCPorto que deixa no ar a ideia de um futuro próximo muito positivo.

Temos equipa e, para todos os efeitos, a Liga dos Campeões começa agora. Este era o jogo que era tido à partida como o mais difícil (afinal o FCPorto provou que com garra e empenho, os nomes não jogam, foi pena não ter conseguido algo mais) e agora segue-se o jogo contra o Atlético de Madrid... sem Fernando, no qual o FCPorto tem tudo para conseguir os 3 pontos.

Prioritária é no entanto a preparação para o jogo contra o Braga, um novo teste às capacidades do Dragão contra uma equipa muito interessante e, para já, líder do campeonato.

Abraço a todos!

John Aarson disse...

Creio que não haverá muito mais para dizer. Precisamos de um Hulk com mais pedalada para jogos Europeus e um Rodriguez em melhor forma. Quanto ao Mariano, acho que já era tempo do Jesualdo lhe f*der a cabeça. O gajo sabe jogar, portanto que jogue!
De resto, o APOEL foi uma surpresa... vamos a ver se não nos lixamos contra eles. Pode ser que haja surpresas grandes neste grupo... portanto temos de evitar ao máximo sermos nós os surpreendidos!

Wolverine23 disse...

Como apenas vi o resumo alargado, pois ainda nem tempo tive de ver a gravação do jogo, acho que o FCP podia ter conseguido algo mais que um bom jogo do ponto de vista táctico, principalmente defensivamente.
Pois ofensivamente, as ideias e as mudanças de velocidade não entraram, pois se na 1ºparte, ou até ao golo sofrido, o FCP controlou as linhas atrás, faltou quem criasse desiquilibrios na frente, não sei se Belushi no lugar de Mariano não seria mais eficaz, pois é mais cerebral e com as costas protegidas por Guarin, podia entrar mais no meio e provocar passes de ruptura, e foi isso que não aconteceu quando o FCP podia explorar o contra-ataque...
Depois de sofrer o golo, o FCP teve de atacar mais, logo as substituições, mas ai o Chelses do Italiano Ancelotti recuou as linhas e o FCP apesar de ter mais bola, continuou a faltar cerebro (numa 1ªfase) ou mais gente na area adversária (a partir dos 80m.), perdido por um, perdido por mil...
Aqui não percebo porquê não ter entrado Belushi ou Farias, pois Jesualdo só fez 2 alterações, e é de arriscar, não havia nada a perder...

Fernando, muito bem em quase todo o jogo, mas... 2 erros, o 1º no golo, é ele que falha a recepção de bola e permite a jogada final e no lance da expulsão, faltou maturidade...
Logo se verá contra o At.Madrid, mas acho que pode fazer falta...

Abraço Camarada

Caetano disse...

Aarson, o APOEL vai ser decisivo na classificação final, sem se apurar para a fase seguinte. Veremos quantas equipas ganham no Chipre. Quanto a Mariano... dou-lhe o desconto do estado da relva.

Caetano disse...

Wolverine, será que o Jesualdo teve medo de voltar goleado outra vez e achou que não valia a pena desguarnecer as linhas?

Quanto a Fernando, quem será o escolhido? Tomás Costa?