segunda-feira, dezembro 14, 2009

Vitória tranquila em ritmo de treino

Este jogo teve para nós o aliciante fundamental de ter sido visto ao vivo em plena capital portuguesa do futebol: o Estádio do Dragão. Quando ao jogo em si, serviu para confirmar as fragilidades de um Vitória de Setúbal que dificilmente ficará na Liga Sagres e para Jesualdo aproveitar para rodar alguns jogadores já a pensar na visita ao Estádio da Luz na próxima semana. Missão cumprida.


Contra um Setúbal que em 13 jogos apenas amealhou 8 pontos, Jesualdo Ferreira decidiu promover alterações na equipa do FCPorto, deixando de fora o totalista Álvaro Pereira e sentando no banco Rodriguez e Falcao. No onze, Sapunaru voltou ao lado direito da defesa e Fucile mudou-se para a esquerda. Na frente Farías foi o escolhido, tendo Varela à direita e Hulk na esquerda.

O FCPorto entrou forte no jogo e aos 17 minutos, sem que o Setúbal tivesse incomodado Helton, já tinha disposto algumas oportunidades de golo, com destaque para as duas bolas nos ferros da baliza sadina na sequência de remates de Belluschi primeiro e Raul Meireles depois.


Ao FCPorto bastaram menos de 3 minutos para resolver o jogo. Primeiro Fucile solicitou Farías com um passe longe e este, à matador, dominou a bola de costas para a baliza levando a melhor sobre os dois centrais do Setúbal e atirou à meia volta. Qualquer reacção que o Vitória pudesse esboçar morreu logo à nascença pois, logo a seguir Varela, com um bom remate de fora da área no seguimento de uma sobra na marcação de um canto. A partir daqui o destino do jogo ficou traçado até porque o Setúbal não tinha qualquer expressão ofensiva e o seu objectivo fundamental passou a ser o de não sofrer uma goleada.



Certamente todos os adeptos já estariam à espera de uma segunda parte "à moda do costume" quando as equipas regressaram do intervalo: o FCPorto baixou o ritmo, atacando apenas pela certa e pelos rasgos ocasionais de Hulk e Varela, embora o brasileiro tenha chegado a fazer perder a paciência a alguns sectores das bancadas. Pelos sadinos, a entrada de Regula e depois de Rui Fonte veio trazer alguma vivacidade mas de pouca dura.

Jesualdo aproveitou para gerir o desgaste de alguns jogadores trocando Fucile por Rodriguez, com o FCPorto a jogar praticamente com 3 defesas embora o "Cebola" estivesse atento a flanco esquerdo, e depois Raul Meireles por Guarin e finalmente Hulk por Mariano, no que foi um regresso interessante do argentino.

Em relação ao jogo, pouco ou nada se viu, excepto por alguns lances criados no flanco esquerdo pela dinâmica de Rodriguez e Varela quando para aí descaiu, enquanto do lado oposto também Mariano veio agitar um pouco as águas mas sem que os lances tivessem sequência.

Saliência ainda para 2 lances que me deixaram dúvidas na área do Setúbal, primeiro com Hulk a cair após jogada individual e depois Sapunaru e levar (mais) uma pancada forte depois de uma grande jogada de incorporação no ataque por parte do romeno que teve curiosamente um momento de maior fulgor no jogo após ter tido de receber assistência na sequência de um choque com um adversário.


Vem aí o jogo da Luz

Após este fim-de-semana em que o FCPorto ganhou pontos a todos os adversários directos (inclusive ao Sporting que está definitivamente fora da luta pelo título), segue-se na próxima jornada a deslocação à Luz no jogo-cartaz da 14ª ronda.

Embora os resultados deste fim-de-semana tenham vindo retirar algum do peso relativo que este jogo inicialmente poderia ter no evoluir do campeonato, será um FCPorto na máxima força aquele que se deverá apresentar na Luz, onde, como em qualquer terreno onde se apresente, o objectivo serão os 3 pontos.

Não deixa contudo de ser curioso que o Benfica tenha tido um resultado adverso em Olhão uma vez que o Algarve é uma região talismã para os Galácticos da 2ª Circular pois até já houve situações em que fizeram questão de lá jogar para o campeonato contra equipas suas vizinhas.

Já agora, será que vamos ter os habituais recados ao árbitro do jogo da Luz durante a semana na imprensa especializada? E discursos acusatórios devido às sanções disciplinares do jogo de Olhão?

6 comentários:

Sete disse...

Só vou comentar o seguinte: "ah e tal bla bla bla que vimos o jogo no dragão"... ACHO MAL!!! Acho mto mal, provavelmente um dos únicos jogos da época em que eu decido que não vou ao estádio e ligam-me estes moços a dizer que lá estão NO FIM DO JOGO!!!!!! E mais n digo...

Caetano disse...

Mau, mau...! Vamos lá esclarecer isto. Primeiro foi ESTE moço que te ligou pois encontrava-se sozinho nas bancadas mornas do Dragão. Em segundo lugar, o moço ligou ao intervalo mas ninguém se dignou a atender desse lado, deixando-me sozinho e abandonado perante a perspectiva de uma segunda parte "à Jesualdo". Achas bem? Hein? Achas?

Sete_Luas disse...

Ao intervalo.... pfffffttttt... ao intervalo... Os jogos pa mim n têm intervalo!!!!!!! Eu bem vi a chamada no meu celfónico mas, como não conheci o número pensei "eeeehhhhh pode esperar..." a tua obrigação de ser simpático era ligares ANTES DO INICIO DO JOGO porque eu até ia de propósito independentemente do fresquinho que se fazia sentir.

E tu achas bem ficar em casa sozinha a resmungar quando o Jesualdo meteu o Mariano? É que mais ninguém compreende o meu ódio de estimação....

dragao vila pouca disse...

Caetano, então vens ao Dragão e não dizes nada? Deixa estar que eu quando te apanhar digo-te...

Um abraço

Caetano disse...

Luas, intervalo sim! Que jeito deu para ir beber uma água mineral sem gás...! Seja como for cheguei ao jogo 10 a 15 minutos depois do apito inicial e fui logo a correr para o lugar mais próximo do Sapunaru que encontrei.

Até se calhar foi melhor assim que com o frio que estava, uma menina delicada como tu poderia constipar-se e eu lidaria mal com esse peso na minha consciência.

****

Caetano disse...

Vila Pouca, eu nem tinha a certeza se ia ao jogo ou não e foi por isso que não disse nada. Vinha de Viana a caminho das Beiras, já cheguei atrasado e ainda estive na dúvida se ia ou não. Lá acabei por me decidir e até correu bem pois comprei bilhete a 10 euros a um empresário por conta própria de venda a retalho de ingressos para jogos no Estádio do Dragão.

À saída também não tardei muito, fui só comer qualquer coisa mas ainda deitei o olho ao Café de referência para ver se te via por lá.

Na próxima vez que vá com mais tempo, podes crer que digo qualquer coisa!

PS - No estádio fez-me um bocado de confusão ver pessoas a irem embora aos 75 minutos... Acho que é o melhor barómetro da pobreza franciscana da "gestão de recursos" do prof. Jesualdo...