segunda-feira, novembro 08, 2010

FCPorto 5 x 0 SL Benfica - Dragões vulgarizam Benfica e mostram ser a melhor equipa portuguesa


Um hino ao futebol! O FCPorto deixou esta noite bem vincada a sua superioridade e a qualidade que coloca em campo. Contra um Benfica que no início da época até apontou à conquista da Champions League, os dragões soltaram toda a sua força e cilindraram o adversário com números que já não se usam e que nem as asneiras do árbitro conseguiram ensombrar.

Justifica-se o apelo de Vieira para não assistirem aos jogos do Benfica. Esta equipa é uma anedota quando comparada com a da época passada e a desilusão é grande para os lados da Luz. Hoje, o Benfica entrou em campo com medo. Irónica esta situação num dia em que se estabeleceu o recorde de protecção policial dada a uma equipa de futebol em Portugal. Jorge Jesus sabia o que tinha pela frente e temeu o pior, preferindo antes de tudo evitar sofrer golos, fazendo entrar Sidney para o eixo da defesa de modo a colocar David Luiz na esquerda para tentar parar Hulk. Ironia que tenha depois usado como desculpa o facto de Hulk ter estado numa noite inspirada... sinal de que não tem acompanhado os últimos jogos do FCPorto.

Após o jogo contra o Leiria, muitas vozes críticas se levantaram acerca das alterações feitas por Caixinha no onze da equipa do Lis, algumas até em tom de suspeição. Será que agora ouviremos o mesmo em relação a Jesus ou percebeu-se que este FCPorto é simplesmente intimidatório?

Do lado azul e branco, Villas-Boas também apresentou uma alteração forçada, pela não recuperação de Fernando depois da lesão na batalha naval de Coimbra. Entrou Guarín, que já fora testado na posição diante do Besiktas, e este cumpriu na íntegra o seu papel. Alguém viu Carlos Martins?

Quanto ao jogo, este foi essencialmente de sentido único. Com Hulk a assegurar sozinho a profundidade do flanco direito, deixando Sapunaru descansado na marcação a Coentrão, que só se viu no penalti cometido na 2ª parte. Sintomático é o facto de TODOS os golos do FCPorto terem nascido na direita do ataque. Aproveitando a criação de desequilíbrios, tanto individuais como colectivos, naquele sector.

Todos os goleadores do FCPorto (e os 3 melhores do campeonato) marcaram. Primeiro Varela, a passe de Hulk, depois Falcao, servido duas vezes por Belluschi, e finalmente Hulk, primeiro na marcação de um penalti cometido sobre ele próprio e depois, num remate de fora da área a 110 km/h, após solicitação de James.

Quanto ao Benfica apenas por uma vez incomodou verdadeiramente Helton, através de um remate de David Luiz, ao qual o capitão portista respondeu com uma grande defesa, mostrando que a qualidade do FCPorto não reside apenas no meio campo e ataque mas que começa, precisamente nada defesa.

Quando Luisão viu o cartão vermelho, por cotovelada a Guarín pensando talvez que ainda se disputava a Supertaça e que tudo era permitido, o Benfica perdeu toda e qualquer capacidade de eventualmente ainda ter algo a dizer na expressão do resultado final. No entanto, também pode o Benfica agradecer ao árbitro apenas ter sofrido 5 golos. Aquela falta de Sálvio na grande área, ao cortar o cruzamento de Varela, foi por demais ostentisvo e em tudo idêntico à falta que valeu o cartão amarelo a Carlos Martins. Dois julgamentos para lances idênticos com jogadores da mesma equipa.

No entanto, o FCPorto voltaria a ter razões de queixa do árbitro já perto do final do jogo quando Maxi Pereira cedeu canto e depois pontapeou a bola para a bancada. Seria o 2º amarelo e consequente expulsão do uruguaio. Lances evidentes e que o árbitro deixou passar.

Para finalizar, há que realçar a atitude de Villas-Boas que com o jogo perfeitamente resolvido e com o Benfica já KO, mostrou toda a sua ambição ao tirar Guarín para fazer entrar Walter. É esta a ambição actual do FCPorto e é esta a ambição que, inevitavelmente, irá levar o FCPorto a grandes conquistas esta época.


Destaques individuais

É difícil, no meio de tantas exibições excelentes, destacar um jogador em particular. Falcao, sempre combativo e o primeiro a defender, conseguiu dois grandes golos enquanto Hulk marcou também dois e fez uma assistência.

No entanto, aquele que foi para mim o jogador mais preponderante, foi Fernando Belluschi, o verdadeiro dínamo do FCPorto esta noite no Dragão. Para além de ter preenchido o meio campo, soube também interpretar da melhor forma as indicações de Villas-Boas, aparecendo na esquerda para criar desequilíbrios na remodelada defesa do Benfica e para fazer duas assistências para golo. A grande época do FCPorto passa pela "explosão" de Hulk mas também muito pela qualidade de jogo que o argentino tem posto em campo.

"Humilhante golpe de autoridade do FCPorto"

O jornal espanhol Marca deu destaque à vitória do FCPorto. No artigo dedicado à estrondosa vitória diante do Benfica, a Marca destaca a "dura lição de futebol" dada aos encarnados, referindo ainda o conjunto trabalhado, sólido na defesa e venenoso no ataque azul e branco.

4 comentários:

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Ontem fizemos um jogo fantástico, épico, pleno de garra e ambição só ao alcance dos grandes campeões.

Foi um grito de revolta de uma equipa, que na época passada perdeu nos túneis o que deveria ter vencido no campo.

Jorge Jesus o auto denominado "mestre da táctica", teve muito medo do FC Porto, foi cagão, e armou uma táctica para tentar parar Hulk. Nem as equipas mais fracas que já passaram pelo Dragão caíram nesse erro ... pois não se consegue parar o que é imparável!

Os nossos jogadores levam todos nota máxima.
Todavia saliento Sapunaru que secou por completo o melhor jogador do Benfica, Coentrão.

Hulk e Falcao evidenciaram-se pelos golos, mas esta foi uma vitória de um colectivo fantástico.

Esta vitória épica ficará para sempre gravada nas páginas da nossa história.

ARREPIANTE a coreografia nas bancadas, e o ambiente do jogo ... lindo!

De morrer a rir o episódio da galinha :)
Abraço

Paulo

http://pronunciadodragao.blogspot.com/

dragao vila pouca disse...

Aleluia Caetano!

Uma noite inesquecível, mas que ninguém se atreva a dizer irrepetível.

Um Porto Vintage, de qualidade superior, proporcionou uma noite mágica, da mais bela Ópera. Um maestro precocemente genial, dirigiu vários tenores extraordinários e juntos formaram um conjunto brilhante, que nos deixou a rebentar de orgulho Dragão.

Felizmente, sou um dos que pode dizer: estive lá!

Um abraço

Caetano disse...

Dragus, palavras para quê. Mais uma vez, assistimos a história ao vivo e a cores e não na RTP Memória. Privilégios de portista ;)

Caetano disse...

Camarada Vila Pouca

Não tem sido nada fácil... Mas vamos ver se retomo agora a publicação regular.

Quanto ao teu comentário, completamente certo. Sobre ser irrepetível, não foi já este resultado a repetição de outro célebre 5-0 mas em pleno Estádio da Luz?

Abraço!